quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Oxumaré


 É representado pelo Sagrado Arco Iris, Oxumaré é o Orixá da renovação contínua dos seres, em todos os sentidos da vida. Renovar significa tornar novo, modificar, recomeçar. Renovar aperfeiçoando, e não cultivando tristezas nem mágoas. Oxumaré atua lenta e sutilmente na vida dos seres, diluindo sentimentos, atitudes e uniões desequilibradas, direcionando estes seres até que descarreguem os acúmulos de energias negativas. Ele desfaz o que perdeu sua condição ideal de existência e deve ser diluído para ser reagregado em novas condições.
Oxumaré é identificado com Dã, a Serpente do Arco Iris, pois irradia as sete cores que caracterizam as sete irradiações Divina e que dão origem às Sete Linhas de Umbanda.
Sendo a renovação do amor na vida dos seres, e onde o amor cedeu lugar à paixão, cessa a irradiação de Oxum e inicia a de Oxumaré, que é diluidora tanto da paixão como do ciúme.
Alguns cometem um grande erro ao dar a Oxumaré a condição de andrógino (parte macho, parte fêmea). Não é aceitável que uma divindade planetária tenha essas qualidades bissexuais, que só acontecem em seres humanos com disfunções genéticas, ou com desequilíbrios emocionais ou conscienciais que fazem com que, psiquicamente eles troquem seus sinais mentais e invertam sua sexualidade.
Os seres que saíram do caminho reto e entraram nos desvios da vida e que sempre conduzem aos caminhos da morte, transitam por um mistério escuro de Oxumaré chamado de Sete Cobras ou Sete Caminhos Tortuosos. Este mistério tem os aspectos negativos e positivos.
O orixá que contrapõe é a amada mãe OXUM.
No sincretismo religioso é São Bartolomeu. Dia da semana: terça-feira. É homenageado em 24 de agosto nos Centros da Bahia.
Oferendas para Oxumaré são: uma vela branca, uma vela azul, uma vela verde, uma vela dourada, uma vela vermelha, uma vela roxa, uma vela rosa, uma vela marrom terroso.
Colocar no centro um melão aberto numa das pontas e derramar dentro dele um pouco de champanhe rose; o resto deve ser deixado na garrafa dentro do círculo de velas coloridas. Esta oferenda deve ser feita próximo de uma Cachoeira.
Acender a vela branca e circulá-la com as sete velas coloridas, guardando uma distância de 30 cm entre o centro e o círculo colorido. Deve-se, então, circundar as velas com flores multicoloridas e invocar Oxumaré, solicitando dele o que se deseja, mas que seja justo para que acelere suas evoluções, já que se pedirem coisas tortas, uma serpente começará a segui-los e, mais dias menos dias, serão picados por ela de forma tão mortífera, que os paralisará. Suas cores são as cores do arco íris mas a cor principal é o verde bem claro, suas guias e contas são amarelas e menta com faixa na cintura de cor menta.

Água de Oxumaré para lavagem de cabeça (amaci): água de cachoeira com folhas de louro e pétalas de flores variadas curtidas por três dias.



Sincretismo São Bartolomeu.
Ervas para banho de descarrego: Folhas de gira sol, manjericão, folha de louro, folhas de abacate, folhas de maracujá.
Amalá para Oxumarê: 7 velas verde clarinho, água mineral, batata doce cozida e mistura mel modelar em formato de cobra no alguidar colocar feijão fradinho separadamente na massa, melão enfeitado e mel, flores coloridas.
Frutas: Melão, laranja doce, maracujá doce.
Local de entrega: Conga do terreiro, mesmo local de Oxum ao lado de uma cascata, cachoeira, beira do rio.